Após denúncias, governo Witzel impõe sigilo a gastos emergenciais com a Covid-19

A Secretaria Estadual de Saúde tornou sigilosos processos administrativos que se referem a contratações emergenciais para o combate ao novo coronavírus. Os gastos somam ao menos R$ 1 bilhão, segundo a Folha.

Mais cedo, o jornal publicou que a organização social Iabas (Instituto de Atenção Básica e Avançada à Saúde), com histórico de má gestão em unidades de saúde, foi contratada por R$ 835 milhões para construir e administrar os 1.400 leitos dos sete hospitais de campanha no estado.

Na semana passada, O Antagonista revelou também um contrato de R$ 10 milhões a para criação de um aplicativo para fornecer informações à população sobre a pandemia – o contrato acabou cancelado.

O G1 publicou semanas atrás que Witzel demitiu a subsecretária de Saúde, Mariana Scardua, após queixas sobre gastos do subsecretário-executivo da pasta, Gabriel Neves.

Um dos gastos se refere ao contrato de R$ 76,5 milhões, sem licitação, com a empresa OZZ Saúde Eireli para fazer a gestão do SAMU na cidade do Rio, que antes era feita pelo Corpo de Bombeiros.

Leia também: Ministro do STF: 'Precisamos é de gente honesta'
Mais lidas
  1. Huck 2026?

  2. Mensagens de WhatsApp revelam que militares bolsonaristas perderam a chance de comprar vacinas

  3. Médica de Rondônia ri de intubação de pacientes

  4. Bolsonaro: leite condensado é para 'enfiar no rabo' da imprensa

  5. Bolsonaro contradiz governador do AM e alega que governo não foi informado de falta de oxigênio

Mais notícias
Comentários
Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos. Tempo de publicação: 4 minutos
Ler 129 comentários
TOPO