2 a 1 pela validade das conduções coercitivas

Antes de Cármen Lúcia suspender a sessão do STF para o intervalo, Edson Fachin também votou pela validade das conduções coercitivas.

O ministro destacou a desigualdade e a seletividade do sistema de justiça criminal brasileiro e defendeu o “real combate à criminalidade”.

Em entendimento semelhante ao de Alexandre de Moraes, Fachin ponderou que as conduções só podem ser decretadas em substituição a medidas mais gravosas – prisão preventiva ou prisão temporária – ou se o acusado não atender a intimação prévia para interrogatório.

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;
Tempo de publicação: 4 minutos

  1. Imagino que o voto contrário é de um daqueles três gangster, tem mais, mas esses três são os piores. Primeiro ato para mudar o país, é acabar com o STF, já existem instâncias em excesso e essa é como uma CNBB, não presta pra nada a não ser custo, atraso e ideias ruins para o país.

Ler mais 14 comentários
  1. Imagino que o voto contrário é de um daqueles três gangster, tem mais, mas esses três são os piores. Primeiro ato para mudar o país, é acabar com o STF, já existem instâncias em excesso e essa é como uma CNBB, não presta pra nada a não ser custo, atraso e ideias ruins para o país.

  2. 🇧🇷 Perder tempo com esse esgoto chamado STF! Esse cafofo de corrupto tem mais é que ser fechado o Brasil não precisa do quarto grau de jurisdição o STJ faria todo o trabalho com a mudança apenas de ministros serem admitido apenas por concurso.

    1. Besteira já que as pessoas tem o direito de permanecer em silêncio. Levar a força para depor e o sujeito permanecer em silêncio só serve de palco para delegados, juízes e procuradores se autopromoverem ou para conduzir processos sem investigações de fato.