Assine
Acesse
Acesse o Antagonista+ Acesse a Crusoé

2ª Turma do STF decide que Marcelo Bretas não poderia ter aceitado denúncia contra Baldy

2ª Turma do STF decide que Marcelo Bretas não poderia ter aceitado denúncia contra Baldy
Foto: Lúcio Távora/Ministério das Cidades

A 2ª Turma do STF decidiu hoje que Marcelo Bretas, juiz federal responsável pela Lava Jato no Rio de Janeiro, não tem competência para julgar o secretário de Transportes de São Paulo, Alexandre Baldy, por suspeita de que ele tenha embolsado R$ 2,6 milhões em propinas.

Por 3 votos a 2, o colegiado manteve decisão provisória de Gilmar Mendes, que retirou de Bretas a denúncia contra Baldy e enviou o processo para a Justiça Eleitoral de Goiás.

O secretário de Transportes paulista é investigado na Operação Dardanários, que apura conluio entre empresários e agentes públicos para influenciar em contratações públicas na área da Saúde de Goiás.

A tese vencedora foi a de que os crimes investigados têm relação com questões eleitorais. Os ministros Nunes Marques e Ricardo Lewandowski acompanharam Gilmar Mendes. Ficaram vencidos Edson Fachin e Cármen Lúcia.

O Ministério Público Federal acusa Baldy de receber propina em três esquemas. Em 2014, ele teria recebido R$ 500 mil para liberar pagamentos atrasados do governo de Goiás a uma organização social que geria o Hospital de Urgência da Região Sudoeste.

Entre 2015 e 2018, segundo o MPF, recebeu R$ 960,4 mil para direcionar à empresa Vertude licitação da Junta Comercial de Goiás. A empresa ainda teria pago a ele R$ 1,1 milhão, entre 2016 e 2018, para ganhar um contrato na Fiocruz.

Leia a nota da defesa de Baldy:

“Por 3 votos a 2, a 2ª Turma do STF entendeu que a Lava Jato do Rio de Janeiro era incompetente para apurar o caso, por se tratar de assuntos da Justiça Eleitoral de Goiás. A decisão atende um pedido da defesa de Alexandre Baldy que, desde o início do caso, reitera que o inquérito é tão somente baseado na palavra de delatores e que uma investigação isenta servirá justamente para provar sua inocência e a integridade de seus atos na vida pública. É importante esclarecer ainda que atualmente o processo está sob análise do Superior Tribunal de Justiça (STJ), uma vez que houve uma citação de uma autoridade com foro por delatores.”

Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO