Por que o Brasil está se retirando de missão de paz no Líbano

Na semana passada, o Ministério da Defesa determinou que o navio de guerra da Marinha deixe a força-tarefa marítima das Nações Unidas no Líbano, a Unifil, criada para acompanhar a retirada das tropas israelenses.

A pasta justificou a retirada alegando que a ONU já delegou as atribuições, atualmente sob comando do Brasil, a outros estados-membros, que vão substituir a capacidade militar brasileira a partir de dezembro.

Questões diplomáticas, porém, foram vitais para a decisão brasileira, informa a Crusoé.

“A força-tarefa incomoda Israel porque contribui para que o Líbano desenvolva sua própria Marinha. De igual modo, os libaneses demonstram desconforto quando percebem que a Unifil pende para o lado israelense. Nos corredores do Itamaraty, diplomatas avaliam que o Brasil perdeu a condição de neutralidade para comandar a Força ao se aproximar politicamente de Jerusalém.”

Leia aqui a reportagem completa.

Mais lidas
  1. O Pazuello da Economia

  2. PDT acusa Bolsonaro de peculato por compra de leite condensado

  3. Auditores fiscais cobram reforma tributária

  4. A curva é apavorante

  5. ENTREVISTA: Wilson Lima diz que Pazuello ajuda a 'agilizar demandas', mas que 'ainda falta oxigênio'

Mais notícias
Comentários
Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos. Tempo de publicação: 4 minutos
Ler 24 comentários
TOPO