7 x 0 - Com maioria, tribunal do impeachment cassa mandato de Wilson Witzel

7 x 0 – Com maioria, tribunal do impeachment cassa mandato de Wilson Witzel
Foto: Brunno Dantas/TJRJ

Com o voto do deputado Alexandre Freitas (Novo), formou-se a maioria de 2/3 necessária para a condenação de Wilson Witzel no processo de impeachment. Ele foi o sétimo integrante do tribunal misto, formado por parlamentares e desembargadores, a votar contra o governador afastado, acusado por crime de responsabilidade na gestão de saúde do Rio de Janeiro.

Com o placar, Wilson perde definitivamente o mandato e poderá ficar impossibilitado de assumir funções públicas por até 5 anos — o período será definido na segunda parte do julgamento. Permanece como governador Cláudio Castro, que ocupa o cargo desde agosto do ano passado, quando Witzel foi afastado do mandato.

No voto, Freitas disse que havia “intimidade promíscua” entre Witzel e “a patota de Mário Peixoto“, empresário que, segundo investigações da Polícia Federal, estaria por trás de empresas contratadas para prestar serviços em hospitais públicos.

“Assim, agiu de forma indecorosa, desonrosa e indigna, por ter atuado estritamente de forma improba, violando disposições expressas de lei federal”, disse o deputado.

Antes de Alexandre Freitas, votaram pela condenação os deputados Waldeck Carneiro (PT), Carlos Macedo (Republicanos)Chico Machado (PSD) e os desembargadores Maldonado de CarvalhoFernando FochTeresa Castro Neves.

Witzel é acusado pela reabilitação da organização social Unir Saúde, para gestão de hospitais públicos, e pela contratação do Iabas, outra OS, para construir e gerir hospitais de campanha.

Investigações da Polícia Federal — que levaram Witzel a ser denunciado por corrupção, lavagem e organização criminosa — apontam que as duas entidades falhavam na entrega dos serviços e pagavam propina para manter contratos com o governo estadual.

Leia mais: Assine a Crusoé, a publicação que fiscaliza TODOS os poderes da República.
Mais notícias
TOPO