"A Anvisa concorda com o consenso científico de que não existe tratamento precoce"

“A Anvisa concorda com o consenso científico de que não existe tratamento precoce”
Foto: Paulo Vitale/ICQ

Natalia Pasternak, presidente do Instituto Questão de Ciência (IQC), disse ao Estadão, sobre a aprovação do uso emergencial das vacinas Coronavac e de Oxford pela Anvisa:

“Os slides de aprovação das duas vacinas mostraram essa relação de risco e benefício, apontando que as vacinas são a melhor estratégia de saúde pública. Isso mostra que a Anvisa concorda com o consenso científico de que não existe tratamento precoce, indo contra as diretrizes do próprio Ministério da Saúde.”

Ela afirmou também:

“Foi uma análise técnica, que apontou o que faltava e as incertezas, mas deixou bem claro que, no fundo, era uma análise de risco e benefício, como deve ser uma análise emergencial. E que os benefícios de ambas as vacinas superam muito tanto os riscos como as incertezas.”

Leia mais: A causa desse desgoverno é política, como mostra a Crusoé desta semana.
Mais notícias
TOPO