A carnalidade de Leandro Karnal

Uma colunista da Folha de S. Paulo acha que as mentes corruptas são um caso neurológico; um colunista do Estado de S. Paulo, chamado Leandro Karnal, acha que as mentes indignadas com a corrupção são um caso de psicanálise.

Leiam um trecho da sua entrevista à coluna de Sonia Racy:

“Os brasileiros odeiam em alguns políticos o que são e amam em alguns juízes e políticos o que gostariam de ser. Por isso que o ódio é tão intenso. Porque são exatamente a cara do Brasil, eles se comportam como todos os brasileiros. E como é tão insuportável essa visão da medusa, eu petrifico e digo que luto por um Brasil melhor, e canto o hino nacional dizendo que é uma luta pela ética, quando é uma recusa do que eu venho fazendo há anos como personagem, como cidadão, mas sem ter tanto poder como o político. Isso não quer dizer que não seja interessante protestar contra a falta de ética, mas quando você vê alguém berrando na TV com passionalidade, pensando com o fígado, como a gente diz, você entende que ali precisaria mais de divã do que de análise sociológica. E a política pública é um espaço que conduz às dores individuais. E as pessoas transferem para o palco tudo aquilo que as incomoda.”

É a carnalidade de Leandro Karnal.