A carta branca para Aras destruir as forças-tarefas

A carta branca para Aras destruir as forças-tarefas
Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Segundo integrantes da cúpula do Ministério Público, ficou mais difícil combater internamente a asfixia das forças-tarefas da Lava Jato e da Greenfield em razão de um recente trunfo obtido por Augusto Aras no CNMP, diz a Crusoé.

A decisão de prorrogar ou não a Lava Jato do Paraná, do Rio de Janeiro e a Greenfield está centralizada nas mãos do vice PGR, Humberto Jacques, e do próprio procurador-geral da República.

O poder foi conquistado por Aras a partir de uma decisão do conselheiro do CNMP Otávio Luiz Rodrigues Jr., em setembro, quando o procurador-geral da República pediu para que ele derrubasse uma decisão liminar que prorrogava a Lava Jato de Curitiba por um ano.

Rodrigues Jr., contudo, disse que a competência para deliberar sobre o tema era única e exclusiva do procurador-geral.

Leia aqui a íntegra da nota.

Leia mais: A revista que fiscaliza TODOS os poderes e conta com os melhores colunistas do Brasil.
Mais notícias
Comentários
Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos. Tempo de publicação: 4 minutos
Ler 110 comentários
TOPO