A "convulsão social" de Boulos

A “convulsão social” de Boulos
Foto: Kelly Fuzaro/Band/Divulgação

Guilherme Boulos está esfregando as mãos para a possibilidade de “convulsão social” no ano que vem.

Ele disse para o Valor:

“Nosso projeto saiu muito forte e o maior derrotado foi o bolsonarismo. Dissemos não ao Bolsonaro, ao travar embate com Russomanno e tirá-lo do segundo turno (…).

Me preocupa saber como vai ser 2021. Se o corte do auxílio emergencial for confirmado por Bolsonaro, se não tiver políticas municipal e estadual de transferência de renda, podemos viver um caos social no país em 2021. Não sabemos como estará a pandemia, se vai ter segunda onda. Na economia, o cenário não é alentador. Podemos ter uma epidemia de desemprego e cenário de convulsão social em 2021 se não houver políticas para garantir emprego e renda. Meu papel como uma liderança política da esquerda, como militante do movimento social é muito mais do que ficar só pensando planos para 2022. É pensar em como organizar a luta diante desse cenário tão difícil.”

Leia mais: A revista que fiscaliza TODOS os poderes e conta com os melhores colunistas do Brasil.
Mais notícias
TOPO