ACESSE

A Coreia do Norte da magistratura pode?

Telegram

O Órgão Especial do Tribunal Regional do Trabalho do Rio Grande do Sul, em sessão realizada no dia 14 de junho passado, dispensou a juíza do trabalho Valdete Souto Severo de exercer a atividade pela qual é paga pelos contribuintes, a fim de presidir a AJD – Associação Juízes para a Democracia.

Trata-se de uma espécie de Coreia do Norte da magistratura, em termos de posições ultraesquerdistas. A AJD, recentemente, expediu notas atacando o ministro da Justiça, Sergio Moro, e exigindo a liberdade de Lula. Também mandou representantes que atestaram a lisura das últimas eleições na Venezuela.

A liberação viola decisão anterior do próprio CNJ, que não admite o afastamento remunerado de magistrados para presidir entidades que não se enquadrem estritamente no conceito de “associação de classe”, como é o caso da AJD.

Por que a Lava Jato deve seguir em frente. SAIBA MAIS AQUI

Comentários

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos. Tempo de publicação: 4 minutos
Ler 101 comentários