A desculpa da vez

A IPMF foi criada em 1993 com alíquota de 0,25% e a desculpa de que cobriria despesas com saúde até o final de 1994.

Em 1996, voltou com o nome de CPMF, mas com alíquota de 0,2%. Em 1999, subiu para 0,38% com o argumento de que ajudaria a Previdência Social.

Caiu em 2001 para 0,3%, mas voltou meses depois a 0,38%, para ajudar a cobrir o Fundo de Combate à Pobreza.

Os brasileiros se livrariam desse engodo após 14 anos, em 2007.

O Aedes aegypti é só a desculpa da vez.