A escolha de Dilma

Dilma abriu mão da reforma trabalhista, que ajudaria a iniciativa privada a gerar emprego, para, de acordo com a Folha, priorizar a reforma na previdência, que vem enfrentando queda na arrecadação com o aumento do desemprego.

Não haverá reforma nenhuma.