ACESSE

A evolução do patrimônio de Fábio Faria, o novo ministro de Bolsonaro

Telegram

O novo ministro das Comunicações, o deputado Fábio Faria (PSD-RN), mudou de vida durante seus anos como parlamentar. Ele se candidatou pela primeira vez em 2006, aos 29 anos. Declarou à Justiça Eleitoral R$ 249,8 mil em bens.

Em 2018, quando foi eleito pela última vez, havia acumulado R$ 6,4 milhões em bens. Na sua primeira candidatura, Faria tinha uma Toyota Hilux de R$ 160 mil e cotas em três empresas: era dono de uma academia, de uma empresa de eventos e tinha participação de uma “Documentos e Delivery LTA”.

De 2006 para 2010, o padrão de vida do deputado já havia mudado. Em 2010, declarou R$ 1,9 milhão em bens à Justiça Eleitoral. Entre esses bens, um apartamento de R$ 1 milhão em Natal, R$ 300 mil em cotas da “Firma North Beach” e um aumento do capital de sua academia, de R$ 10 mil para R$ 70 mil.

Quatro anos depois, nova multiplicação: declarou R$ 5 milhões em bens ao TSE. O apartamento havia valorizado mais de 20% e ele disse ter comprado R$ 2,2 milhões em ações da academia Bodytech – a academia, do empresário Alexandre Accioly, é apontada pela Lava Jato como intermediária de pelo menos R$ 20 milhões de propina da Andrade Gutierrez para o hoje deputado Aécio Neves (PSDB-MG).

Já em 2018, o carro era uma Mercedes GL-20 de R$ 270 mil, além de um Hyundai Azera de R$ 80 mil — e já não tinha mais a academia original. Passou a ter R$ 4 milhões em ações da Bodytech.

Leia mais: O temor da cassação no Planalto

Comentários

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos. Tempo de publicação: 4 minutos
Ler 81 comentários