A "fonte" de Bolsonaro era o embaixador em Washington

A “fonte” de Bolsonaro era o embaixador em Washington
Foto: Geraldo Magela/Agência Senado

Jair Bolsonaro negou-se a reconhecer a vitória de Joe Biden porque, segundo ele, suas “fontes” diziam que “teve muita fraude” no processo eleitoral.

Agora sabemos quem era sua fonte: o embaixador nos Estados Unidos, o olavista Nestor Forster.

O Estadão obteve cinco telegramas alucinados do embaixador.

“Na noite de 6 de novembro, horas antes do anúncio da vitória de Biden, Forster Junior informou a Brasília que ‘estreitas margens tornam quase certos processos de recontagens e ações judiciais adicionais’. ‘A campanha do presidente Donald Trump já robustece sua assessoria legal para promover a recontagem nos Estados-chave e ações judiciais relativas a percebidas irregularidades e denúncias de fraude na apuração de votos’ (…).

Ainda no dia 6 de novembro, Forster Junior alertou em relação a ‘diversos relatos’ de fraudes em Michigan, Pensilvânia, Arizona e Nevada (…).

Ao citar o advogado pessoal de Trump, o ex-prefeito de Nova York Rudolph Giuliani, o embaixador brasileiro afirmou, em outro telegrama, que a primeira ação judicial de ‘escopo abrangente’ havia sido protocolada junto à corte federal na Pensilvânia.”

A fonte da fonte de Bolsonaro era, obviamente, a imprensa trumpista e a própria campanha do candidato derrotado. Muito confiáveis.

Leia mais: Crusoé revela documentos de leniência que a holding JBS omitiu da Justiça. Há ainda novos detalhes de repasses feitos a ministros do atual governo e ao Instituto Lula.
Mais notícias
TOPO