A herança de Márcio Thomaz Bastos

O Antagonista apurou que o PT nos faz de otários, para variar. Quando Maria Thereza abriu mão da relatoria do caso, para que Dias Toffoli pudesse escolher outro relator, Dilma Rousseff ganhou tempo. Agora, a estratégia fica clara com a devolução do processo para a ministra petista.

Maria Thereza virou ministra efetiva do TSE em 2014, com aval de Dias Toffoli, e está no STJ desde 2006, nomeada por Lula na vaga da OAB por indicação de Márcio Thomaz Bastos.

É mestre e doutora em Direito Processual Penal pela Faculdade de Direito da USP, professora na mesma faculdade e advogada em São Paulo. É associada ao Instituto Brasileiro de Ciências Criminais.

No TSE, Maria Thereza normalmente vota com Luciana Lóssio e Dias Toffoli em ações de interesse do PT.

Foi numa articulação com o mesmo Dias Toffoli que Maria Thereza arquivou a ação de impugnação do mandato de Dilma, da qual é relatora. Quando o caso foi a plenário, acabou derrotada ao lado de Luciana Lóssio, a ministra da cobertura. Depois disso, Maria Thereza tentou se aproximar de Gilmar Mendes e chegou a sugerir seu nome como relator. Uma bela encenação.