A Justiça quântica

O Conselho da Justiça Federal publicou uma notícia fascinante. Nada a ver com Lava Jato, penduricalhos nos salários dos juízes ou jurisprudência de encomenda.

No Workshop “Inovaçōes na Justiça: O Direito Sistêmico como meio de Solução Pacífica de Conflitos”, foi  debatido o método de constelações familiares no Judiciário, utilizado primeiramente na Bahia e replicado em 12 Tribunais de Justiça do país.

Pelo que entendemos, é uma maneira de tentar conciliar as partes — ou não — conhecendo-se a si próprio — ou não.

“Nós precisamos oferecer paz às pessoas que buscam nosso trabalho. O juiz que cura suas feridas consegue ver com mais acertos a solução para o problema do outro. Então essa terapia trouxe primeiramente para nós um aumento de produtividade e, em seguida, começamos, por meio do método, a estimular e conseguir mais conciliações”, disse o presidente do TJRO, desembargador Walter Waltenberg.

“Os efeitos podem vir muito depois, porque as pessoas param para pensar, ficam instigadas à análise. Estamos fazendo assim uma Justiça ‘quântica’”.disse a desembargadora Sueli Pereira Pini, do Amapá.

Um dia a gente para mesmo para pensar.

Comentários

  • beatriz -

    Pensar que tem tanta gente morrendo em porta de hospital por falta de atendimento e por falta de remédios etc. É revoltante demais. Qto custa esta brincadeirinha???

  • Wagner -

    Eles estão passando para a segunda fase do Direito bolchevique aqui no Brasil, a primeira foi a do Direito achado na rua, agora vamos para a fase do Direito achado no latão de lixo, claro, provavelmente com todo o "raciocínio" regado a muita erva e muito pó.

  • Wagner -

    Complexo mundo quântico da justiça maconheira. Kkkkkk

Ler 58 comentários