A lavanderia do Senado

Parentes de políticos poderão repatriar o dinheiro sonegado e remetido para o exterior.

Romero Jucá explicou para a Folha de S. Paulo que “haverá um sistema de rastreamento e checagem para identificar se os recursos do parente não têm relação com o político.

Um exemplo: um empresário que tem um irmão como deputado poderá regularizar ou repatriar seus ativos desde que prove que eles foram gerados por seus negócios e não têm nenhum vínculo com o parente próximo”.

Quanto vai custar para lavar o dinheiro roubado? 17,5% de Imposto de Renda e 17,5% de multa.

É uma gente asquerosa.

Faça o primeiro comentário