ACESSE

A maquiagem bolsonarista

Telegram

A quebra do sigilo bancário dos parlamentares bolsonaristas tem o propósito de apurar se eles usaram dinheiro público para bancar uma rede de propaganda clandestina.

Diz a Veja:

“O marqueteiro Sérgio Lima alterou a razão social de uma empresa de cosméticos em fevereiro deste ano para prestar serviços de publicidade a quatro deputados do PSL, todos com sigilos quebrados por Alexandre de Moraes.

Bia Kicis e Aline Sleutjes firmaram um contrato cada uma, que, somados, totalizaram pouco mais de 16.000 reais. Guiga Peixoto e General Girão têm um acordo pelo qual pagam a Lima 6.500 e 7.400 reais mensais, respectivamente.”

Quem pensaria em usar uma empresa de cosméticos para maquiar gastos?

Leia mais: A coluna exclusiva de Moro na 'Crusoé': assine e ganhe um ebook sobre o ex-juiz e ex-ministro. Clique e saiba mais

Comentários

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos. Tempo de publicação: 4 minutos
Ler 60 comentários