A militarização do Executivo é real e sem precedentes

A militarização do Executivo é real e sem precedentes
Foto: Marcos Corrêa/PR

O senador Alessandro Vieira e a deputada Tabata Amaral fizeram um levantamento (veja o gráfico animado) sobre a evolução da presença de militares no Executivo, entre 2013 e 2020. Na Presidência, o contingente saltou de 2,6% para 15,1% do total de comissionados.

Os dados são do site da Transparência.

No Ministério da Saúde, a presença de militares era zero em 2013. Hoje, são 7,3% do total – antes de Pazuello, era de 2,7%.

O mesmo ocorreu com a pasta do Meio Ambiente: hoje os militares são 8,3%, contra nenhum no início do período pesquisado.

O Ministério de Minas e Energia é a segunda que mais abriga militares no governo Bolsonaro — 10,8%.  Sete anos atrás, era apenas  0,4%.

Na contabilidade dos cargos ocupados, foram considerados apenas os cargos de ministros, secretários, DAS e FCPE nível 4 ou mais alto.

 

 

Leia mais: Assine a Crusoé, a revista que tem coragem de fiscalizar TODOS os poderes
Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO