A MP de Lula e do companheiro Palocci

A Folha de S. Paulo disse que a Odebrecht ganhou 8,4 bilhões de reais depois de pagar propina a parlamentares para aprovar duas medidas provisórias.

Romero Jucá, um dos acusados de ter recebido propina para aprovar a MP 255, defendeu-se dizendo que medidas provisórias dependem do presidente da República e do Ministro da Fazenda.

Quando a MP 255 foi aprovada, o presidente da República era Lula, o “Amigo” da Odebrecht.

E o Ministro da Fazenda era Antonio Palocci, o “Italiano” da Odebrecht.

Lula disse na ocasião:

“Essa medida 255, que foi transformada em lei, que foi sancionada agora, ela não seria possível de acontecer se não fosse o trabalho do companheiro Palocci e dos seus assessores, sobretudo da Receita Federal”.