A OAB não quer importunar Lourdinha

A OAB fluminense continua fazendo de conta que não havia conflito de interesses no fato de Adriana Ancelmo manter gordos contratos advocatícios com empresas que faziam negócios com o governo na gestão Sérgio Cabral.

A decisão de não abrir processo disciplinar contra Adriana, informa Lauro Jardim, é semelhante a outra tomada em 2011 pelo petista Wadih Damous, que à época estava à frente da OAB.

Pelo visto, há mais petistas na Ordem.