A parceria de Lula custou uma Petrobras

Entre 2004 e 2006, o Palácio da Alvorada foi reformado, depois de Lula ter reclamado do estado precário em que se encontrava a residência oficial do presidente da República. Vinte empresas bancaram as obras — entre elas, a Odebrecht, Camargo Corrêa e OAS.

Na cerimônia de reabertura do Alvorada, Lula disse:

“Eu quero dizer para vocês que, se depender de mim, tem muita coisa para ser restaurada neste país. Se depender de mim, vocês vão ser parceiros em outra restauração. Se quiserem ver alguma coisa é só entrar no Palácio do Planalto, é só entrar no Palácio do Planalto para ver como aquilo vai precisar paralisar. Tem prédios aqui em que foram colocando carpetes em cima de carpetes. Nós descobrimos sala com três carpetes em cima do outro, numa demonstração, eu diria, de negligência, até com a saúde de quem fez.”

A “parceria em outra restauração” custou uma Petrobras.