ACESSE

"A Polícia Militar não é agressiva", diz Sargento Neri

Telegram

Deputados da ‘bancada da bala’ na Alesp defendem nesta tarde o projeto que extingue a Ouvidoria da Polícia.

Douglas Garcia (PSL) acusou, sem provas, a ouvidoria de estar ‘aparelhada’. “Só tem comunista, só tem gente do PCdoB”, disse. “Todo esquerdista adora bandido, adora defender bandido”.

Sargento Neri (Avante) defendeu a atuação do soldado João Paulo Servato, que pisou no pescoço de uma comerciante negra no fim de maio. “Ele não pisou, fez a contenção dela para fazer sua segurança periférica”, afirmou. “Ela não foi agredida, foi contida no solo”.

Apesar da defesa de Neri, o porta-voz da PM de São Paulo, capitão Osmário Ferreira, afirmou que o comportamento de Servato não faz parte do procedimento operacional da corporação. Segundo Ferreira disse na semana passada, a Corregedoria da PM instaurou inquérito militar em maio para apurar o caso assim que soube das imagens.

Na reunião da Alesp, Neri garantiu que a Polícia Militar “não passa a mão na cabeça de ninguém” e de fato toma providências contra policiais que descumprem as regras. “A Polícia Militar não é agressiva”, disse, “nossa sociedade é que está mais violenta”.

“A Ouvidoria e o Condepe nunca foram sérios”, acrescentou Sargento Neri.

Os deputados paulistas debatem nesta tarde requerimento para colocar o projeto do deputado Frederico d’Avila (PSL) em regime de urgência.

Leia mais: Bolsopetismo pró-impunidade: a aliança para enterrar a proposta de prisão após condenação em segunda instância

Comentários

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos. Tempo de publicação: 4 minutos
Ler 15 comentários