Assine
Acesse
Acesse o Antagonista+ Acesse a Crusoé

A proposta de volta do imposto sindical (com outro nome)

Nos estertores de 2019, O Antagonista descobriu que se preparava a volta do imposto sindical, com outro nome (para tentar disfarçar o absurdo). Foi o que revelou o site, com exclusividade, no início de dezembro.

O texto foi elaborado por luminares encarregados de apresentar um projeto de reforma sindical e pertencentes ao Grupo de Altos Estudos do Trabalho, ligado ao Ministério da Economia e sob a batuta de Rogério Marinho. Seria uma PEC, acompanhada de projeto de lei para alterações legislativas infraconstitucionais. 

Por mais que Rogério Marinho, secretário especial da Previdência, tenha corrido para o Twitter para acusar o site de publicar “fake news” (fake news, uma ova, Marinho), O Antagonista apurou que o novo imposto tinha até nome: “taxa de liberdade sindical obrigatória”.

O valor do imposto ainda não estava definido. Inicialmente, Hélio Zylberstajn, do Grupo de Altos Estudos do Trabalho, pensou no equivalente a meio dia de trabalho por ano. Até o momento da publicação da notícia, contudo, o valor imaginado havia caído para um quarto de um dia de trabalho por ano.

Depois da reação inicial contra o site, Marinho acalmou-se e afirmou que a proposta de membros do GAET não seria acolhida de jeito nenhum. Que o governo não havia batido o martelo, como publicado pelo site. Bolsonaro também fez questão de dizer que o imposto sindical jamais seria reinstituído — mas não falou em “fake news”.

O preço da eterna vigilância não é tão caro como o da volta da estrovenga.

Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO