ACESSE

A saída de Raquel Dodge pela porta dos fundos

Telegram

A promessa inicial de Raquel Dodge de fortalecer operações do Ministério Público, como a Lava Jato, não vingou em 2019.

O que se viu neste ano foi uma Procuradora-Geral da República impopular entre seus pares, a ponto de procuradores entregarem seus cargos em razão de discordâncias com a atuação de Dodge.

Em março, por exemplo, a PGR perdeu dois auxiliares diretos, que pediram demissão em protesto contra a conduta de Dodge em relação a um parecer ao STF.

Na ocasião, a então chefe do Ministério Público contestou a criação de uma fundação privada, com dinheiro recuperado da Petrobras, pelos procuradores da Lava Jato em Curitiba.

Em julho, insatisfeito com o ritmo da PGR, o então coordenador da Lava Jato na Procuradoria, José Alfredo de Paula, também se afastou do cargo.

A demora para enviar ao STF a delação do empreiteiro Léo Pinheiro para ser homologada foi a principal motivação para a sua saída.

Com o humor azedo entre os procuradores, Dodge decidiu não disputar a eleição que resultou na formação da lista tríplice de candidatos para ocupar a sua poltrona.

Ao perceber que Jair Bolsonaro não dava a mínima para a lista, porém, Dodge recuou e afirmou estar “à disposição” para uma eventual recondução ao cargo.

Em setembro, mais seis procuradores que cuidavam da Lava Jato em Brasília pediram desligamento de suas funções.

O motivo: um documento encaminhado por Dodge ao STF no qual ela propôs o arquivamento de trechos que mencionavam Rodrigo Maia e José Ticiano Dias Toffoli, ex-prefeito de Marília e irmão do presidente do STF.

Com o pedido de demissão coletiva do staff da Lava Jato, Bolsonaro sinalizou que havia cogitado reconduzir Dodge ao comando da PGR, mas desistiu:

Raquel Dodge estava na fita, ontem teve o problema.”

No apagar das luzes de sua gestão, Dodge ainda publicou 90 portarias. 

Oficialmente, o mandato de Dodge terminou no dia 17 de setembro. Na prática, porém, tinha acabado vários meses antes.

Lava Jato coloca a lupa sobre os negócios de Lulinha, que agora é alvo preferencial das investigações. CONFIRA

Comentários

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos. Tempo de publicação: 4 minutos
Ler 13 comentários