A sem-vergonhice da nota da OAB

O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, teve encontros fora da agenda oficial com advogados de empreiteiras do Petrolão. Nesses encontros, ele tranquilizou os advogados, dizendo que os rumos da Operação Lava Jato iriam mudar depois do Carnaval. Também desaconselhou que os executivos presos fizessem delação premiada — claramente, a fim de evitar que entregassem Lula e Dilma. Ou seja, o ministro da Justiça do Brasil agiu, e continua agindo, contra a Justiça do Brasil.

O Antagonista pediu a demissão imediata de José Eduardo Cardozo. O ex-ministro do STF Joaquim Barbosa também.

Os crédulos esperavam uma manifestação da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), e ela finalmente veio hoje. Leiam, por favor:

O advogado possui o direito de ser recebido por autoridades de quaisquer dos poderes para tratar de assuntos relativos a defesa do interesse de seus clientes. Essa prerrogativa do advogado é essencial para o exercício do amplo direito de defesa. Não é admissível criminalizar o exercício da profissão.

A autoridade que recebe advogado, antes de cometer ato ilícito, em verdade cumpre com a sua obrigação de respeitar uma das prerrogativas do advogado. A OAB sempre lutou e permanecerá lutando para que o advogado seja recebido em audiência por autoridades e servidores públicos.


Diretoria da OAB Nacional
Marcus Vinicius Furtado Coêlho – Presidente
Claudio Lamachia – Vice-presidente
Cláudio Pereira de Souza Neto – Secretário-geral
Cláudio Stábile – Secretário-geral Adjunto

Antonio Oneildo Ferreira – Diretor Tesoureiro

Era melhor que os chefões petistas da OAB tivessem silenciado. O que eles fizeram foi partir para o esculacho. A pretexto de defender o exercício constitucional da advocacia, ignoraram a advocacia administrativa do ministro da Justiça que trabalha para minar a própria Justiça, em reuniões secretas, fora da agenda oficial, repita-se. Como se não bastasse, ainda deram uma canelada em Joaquim Barbosa.

O Antagonista acha essa gente muito sem-vergonha. Não dá nem para fazer piada.