A trilha suíça da propina de Serra

Segundo a Veja, a propina para José Serra era paga pela Odebrecht numa “triangulação que passava pela Suíça”.

O dinheiro saía do departamento de propins da empreiteira e ia para contas pessoais de Ronaldo Cezar Coelho, banqueiro, ex-deputado federal e amigo de longa data do tucano.

Coelho, então, pagava dentro do Brasil os custos com transporte, hospedagem e pesquisas internas da campanha de Serra e eram registrados como doações.