ACESSE

Abandonada pelo governo, Cinemateca pode sofrer apagão

Telegram

A Cinemateca Brasileira voltou aos holofotes depois de Jair Bolsonaro prometer para Regina Duarte o comando da instituição.

Abandonada pelo governo federal, o órgão responsável por cuidar da memória do cinema nacional está prestes a sofrer um apagão.

A gestão da Cinemateca foi repassada pelo governo federal para a Associação Comunicativa Educativa Roquette Pinto (Acerp) em 2018. O governo, no entanto, parou de fazer os repasses previstos no contrato no meio do ano passado, em meio à queda de braço entre o Ministério da Educação e a Acerp pela TV Escola, administrada pela Roquette Pinto.

Os custos para a manutenção da Cinemateca são de quase R$ 13 milhões por ano. Em 2019, apenas R$ 7 milhões foram repassados pelo governo. Neste ano, nenhum real foi pago.

Para evitar o colapso, a Roquette Pinto tirou de seus cofres R$ 10 milhões. Mas, apesar do esforço, a conta de luz de abril não foi paga.

A energia custa, em média, R$ 150 mil. O preço é elevado por causa dos refrigeradores, que precisam ficar ligados para preservar fitas dos primórdios do cinema brasileiro.

O corpo técnico da Cinemateca compara a situação com a do Museu Nacional, consumido por um incêndio em 2018.

Leia também:

Bolsonaro precisa solucionar vácuo jurídico para colocar Regina Duarte na Cinemateca

Leia também: Bolsonaro: "Vou interferir. Ponto final"

Comentários

  • Sueli -

    Xiiii...agora, o novo alvo da imprensa será a Cinemateca. Coitada da Regina, será perseguida até o fim dos seus dias. Pega o chicote, Mainard!

  • Orlando -

    Com Bolsonaro, nossas instituições pouco a pouco caminham para seu fim.

  • Marcia -

    Mas ela também pegou fogo já

Ler 32 comentários