ACESSE

"Acabou, porra. Me desculpem o desabafo, mas acabou"

Telegram

Exaltado durante o pronunciamento em frente ao Palácio da Alvorada, Jair Bolsonaro não quis responder a nenhuma pergunta dos jornalistas e, como registramos, fez fortes críticas tanto à operação da PF que mirou empresários, deputados e militantes bolsonaristas quanto à divulgação do vídeo da reunião ministerial de 22 de abril.

Ele também disse que tem as “armas da democracia” nas mãos.

“Acabou, porra. Me desculpem o desabafo, mas acabou. Não dá para admitir atitude de pessoas tomando certas ações quase pessoais. Não vamos permitir que uma pessoa tome decisões em nome de todos”, afirmou Bolsonaro.

“Respeito o Supremo, respeito o Congresso, mas tem que respeitar o Executivo também. Humildade, lealdade ao povo, patriotismo, compromisso com o Brasil, é o mínimo que se espera.”

Ele também rechaçou que exista um “gabinete do ódio” no Palácio do Planalto.

“Os idiotas criaram o [termo] ‘gabinete do ódio’. Os imbecis publicaram matérias sobre isso. Agora, lamento.”

Aos repórteres, que tentavam fazer perguntas, Bolsonaro disse: “Quem não quiser ouvir, que vá embora”.

Leia também: Bolsonaro mandou investigar Witzel?

Comentários

  • Alberto -

    PR VAGABUNDO! TÁ NEVORSINHA PQ SABE Q VÃO TE PEGAR! MACHÃO DE GOELA! TÁ FUD...

  • Luiz -

    Tá acabou, mas vai fazer o quê Excelentíssimo Presidêncio?

  • Cláudia -

    Nunca fui a favor de ações radicais, e até agora tb criticava muito o presidente mas diante dos fatos atuais e do absurdo das decisões do supremo apartir de agora torço por intervenção no judiciário

Ler 362 comentários