Assine
Acesse
Acesse o Antagonista+ Acesse a Crusoé

A academia da propina de Aécio Neves

A Polícia Federal tem uma nova pista de que Aécio Neves teria usado a rede de academias Bodytech, de Alexandre Accioly, para receber propina da Andrade Gutierrez.

Delatores da empreiteira já contaram à Lava Jato sobre o repasse de pelo menos R$ 20 milhões ao tucano por meio de um aporte financeiro na empresa de Accioly.

Agora, o quebra-cabeças deve se fechar.

Segundo um novo colaborador, os registros de alunos da rede de academias teriam sido ‘inflados’ para gerar um faturamento fictício, permitindo ‘esquentar’ a retirada desses recursos.

Os investigadores foram informados de que Roberto Rzezinski, preso na ‘Operação Câmbio, Desligo’, figurava no quadro societário do grupo Bodytech como representante do megadoleiro Dario Messer.

Aécio e Accioly têm negado de forma veemente qualquer ilegalidade. Em nota a O Antagonista, o empresário disse que a Bodytech “é auditada desde 2007”.

“A partir de 2010, é auditada pela Ernst & Young e nunca teve qualquer ressalva em seus balanços anuais. É um despropósito falar em inflar o número de alunos ou qualquer outro indicador. Quanto à afirmação que envolve Dario Messer e Roberto Rezinski, o despautério é de tal ordem que nem merece resposta. É impossível deixar de registrar a indignação diante de algo tão infame e que causa danos tão evidentes a quem já tem sido alvo de campanha difamatória das mais persistentes.”

Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO