Acordão com a oposição

Delcídio Amaral delatou também a oposição.

Segundo a IstoÉ, ele disse ter testemunhado na madrugada do dia 5 de abril de 2006 as “tratativas ilícitas para a retirada dos nomes de Lula e de seu filho Fábio Luís Lula da Silva do relatório final da CPI dos Correios, em um acordão com a oposição”.

Foi assim, segundo o anexo 21 da delação, que Lula se salvou do impeachment.