“Acordos políticos têm que caber no Orçamento”, diz Guedes em resposta ao Congresso

“Acordos políticos têm que caber no Orçamento”, diz Guedes em resposta ao Congresso
Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Em mais uma resposta ao Congresso, o ministro da Economia, Paulo Guedes, disse hoje em conversa com investidores que “os acordos políticos têm que caber nos Orçamentos públicos”.

Durante live com investidores, Paulo Guedes confirmou que houve um acordo com parlamentares para elevar em R$ 16 bilhões o valor das emendas no Orçamento 2021. No entanto, Guedes alegou que houve “equívocos e excessos” e que alertou senadores e deputados sobre o problema, durante a elaboração da peça orçamentária.

“A única coisa que eu disse na ocasião foi que estava inexequível. O acordo estava inexequível. E a segunda coisa que eu disse é que os acordos políticos têm que caber nos Orçamentos públicos. O exercício agora é como reconduzir para caber no Orçamento. Não há dúvidas sobre o que tem que ser feito. O problema é como fazer”, disse Guedes.

“O primeiro acordo era em torno de R$ 8 (bilhões), ela (a Economia) acompanhou. O segundo acordo era R$ 16 (bilhões), ela acompanhou. De repente fizeram um acordo que extrapolou e não cabia. Houve equívocos de um lado ou de outro. Todo mundo está junto no erro”, complementou o ministro.

Leia mais: Crusoé mostra como a corte do STF volta a ser palco de troca de farpas entre ministros, intrigas e até ameaças após o julgamento da reeleição no Congresso.
Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO