Acusação abre mão de uma testemunha

A acusação de Dilma Rousseff abriu mão de uma das três testemunhas arroladas inicialmente: o auditor federal Leonardo Rodrigues.

Ficam mantidos o procurador Júlio Marcelo e o auditor Antônio Carlos Carvalho.