Acusação de propina é ‘armação’, diz ex-assessor de Padilha

O empresário Ibanez Filter, apontado como principal operador de Eliseu Padilha, negou que tenha recebido propina da Odebrecht destinada ao chefe da Casa Civil de Michel Temer, informa a Folha.

Filter depôs hoje no inquérito da Lava Jato que apura pagamentos, pela empreiteira, de R$ 10 milhões a campanhas do MDB, supostamente acertados com Temer –então vice-presidente de Dilma Rousseff– no Palácio do Jaburu, em 2014.

O empresário reconheceu ser próximo de Padilha e admitiu ter transportado dinheiro vivo. Alegou, porém, que foi tudo registrado na Justiça Eleitoral e afirmou que as acusações de ilegalidade fazem parte de uma armação.

Comentários temporariamente fechados.

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem.

Ler mais 10 comentários
  1. Coloca esse vagabundo no Xafrez em Curitiba para ver se não muda a história. O “Bicuira” honesto??? Kkkkkkkkkkkkkkkkkk. A casa do Jurere Internacional já foi vendida.

  2. – O empresário reconheceu ser próximo de Padilha.
    – admitiu ter transportado dinheiro vivo.
    – Alegou, porém, que foi tudo registrado na Justiça Eleitoral . . .

    PQP . . . DÁ VONTADE DE DAR UM KCETE DE GATO MORTO ATÉ MIAR!!!

  3. Os PTebas sempre afirmaram que Eliseu Padilha era um corrupto de mão cheia (com segundo sentido). Chegaram até a apelidá-lo de ELISEU QUADRILHA.
    Não duvido, até porque de corrupção os PTebas entendem.

  4. .
    Ora, se o empresário tem um instrumento mais seguro – o “TALÃO DE CHEQUES” -, para não correr riscos transportando dinheiro VIVO, por que é que este faria diferente se não houvesse dinheiro fruto do Crime de SONEGAÇÃO envolvido?
    .
    Neste caso, PADILHA se enquadra na figura do RECEPTADOR do Art 180 do Código Penal, por receber ‘COISA’ sabidamente oriunda se ação criminosa (o crime de sonegação), Como já cansei de repetir, o desembargador GEBRAN NETTO negou a liberação dos R$ 16 milhões de LULA, dizendo que o caso dele deveria ser feito por petição ao Juiz Moro, e o instrumento legal era o “INCIDENTE de RESSARCIMENTO de ‘COISA’ (o dinheiro) APREENDIDA”. Logo… Padilha…