Agamenon: O furo privilegiado

Uma questão apavora os brasileiros de norte a sul, do Oiapoque a Marilena Chauí, de cabo a rabo. Mais para o rabo que para o cabo: o fim do foro privilegiado. Desde os tempos em que a Gretchen ainda não tinha feito plástica e o Matusalém não usava dentadura, o Brasil se destaca entre as nações do mundo inteiro por conta do “foro privilegiado”. Estão aí a Mulher Melancia, a Mulher Melão, a Mulher Jaca e a Mulher Umbu como prova substantiva, adjetiva e material. A Isaura, a minha patroa, apesar da idade avantajada, também é conhecida pelo privilégio do seu foro a quem o povo carinhosamente apodou de Mulher Maracujá.

Turistas do mundo inteiro vêm para o Brasil só para conhecer e apreciar as vantagens do foro privilegiado, coisa que não existe em nenhum outro lugar com tanta fartura e permissividade. Também pudera, o foro privilegiado garante a imunidade parlamentar contra várias moléstias infectocontagiosas como o Cancro Mole, a Crista de Galo, o Condiloma Acuminado, a Tricomoníase, a Gonorreia, a Sífilis e a Tuberculepra Gonocócica. Sem falar das prisões, inclusive as de ventre.

Isso porque aqueles que têm acesso ao foro privilegiado só podem ser julgados pelo Supremo Tribunal Fuderal. Mas então, logo agora, na minha vez, quando eu, desempregado crônico, pensava seriamente em me candidatar em 2018, o governo vem com essa ideia de acabar com o foro privilegiado. Melhor dizendo, quando alguém diz que está pensando seriamente está mentindo: ou se está pensando ou é seriamente.

AGAMENON MENDES PEDREIRA É CANDIDATO DO PP, PARTIDO DA PAPUDA.

Conhecido pela Odebrecht como “gato angorá”, o senador Moreira “Franco” não esconde de ninguém que é louco por gatos.

Faça o primeiro comentário