Ainda dá tempo de aprovar voto distrital misto para 2020

Telegram

Rodrigo Maia saiu de uma reunião na segunda com ministros do Tribunal Superior Eleitoral com a garantia de que dá tempo de aprovar e organizar as eleições municipais do ano que vem com um novo sistema de escolha dos vereadores, com o voto distrital misto.

Pelo modelo em discussão, as cadeiras do Legislativo continuariam a ser repartidas conforme a proporção de votos obtidas por cada partido. Exemplo: se os candidatos de determinada legenda conseguiram, juntos, 20% dos votos válidos, terão 20% das cadeiras na Câmara Municipal.

A diferença para o sistema atual é que parte deles poderá ser eleita exclusivamente no distrito (numa região delimitada da cidade, que junte bairros próximos, por exemplo), dentro do qual é eleito um único candidato, aquele que tem mais votos.

O roubo e o vazamento de mensagens trocadas por Moro e os procuradores da Lava Jato é grave. Muito grave. SAIBA MAIS AQUI

Para fazer valer o sistema no ano que vem, basta a Câmara aprovar um projeto de lei já aprovado no Senado e de autoria de José Serra e Eunício Oliveira — como a mudança não envolve aumentar ou diminuir o número de parlamentares, não é necessária emenda à Constituição.

A eleição do ano que vem seria um teste, para ver se é possível aplicar o modelo em 2022, quando são eleitos deputados federais e estaduais.

Comentários

  • MOACIR -

    Duvido que os malditos ditadores donos dos partidos, ou seja, as velhas raposas da política, vai concordar e mudar o sistema que, com certeza ira tirar parte do poder que eles tem.

  • Regildo -

    Já é um começo! E daí pode surgir uma mudança maior! Vale a pena tentar! Espero que o Nhonho conduza a ideia adiante!

  • Bira -

    Esse voto distrital misto não vai mudar nada. É melhor deixar essa bosta do jeito que está.

Ler 22 comentários