Alcolumbre precisa explicar o motivo da pressa para aprovar o abuso de autoridade

É preciso repetir que o projeto que trata do abuso de autoridade, vindo da Câmara após ser completamente desfigurado, chegou ao Senado em 4 de abril de 2017, há mais de dois anos, portanto.

Somente em 14 de dezembro de 2018 foi distribuído, na CCJ, para a primeira relatora, Simone Tebet (MDB).

Em 21 de março deste ano, com Simone já no comando da comissão, o projeto foi redistribuído para o novo relator, Rodrigo Pacheco (DEM).

Pacheco ficou com a matéria durante 83 dias. Na noite da última terça-feira, exatamente dois dias depois dos primeiros vazamentos envolvendo a Lava Jato, o senador recebeu a informação de que o projeto entraria como extrapauta em sessão da CCJ no dia seguinte, por determinação de Davi Alcolumbre, seu correligionário.

O relatório, feito às pressas na noite anterior, segundo o próprio, foi lido na última terça-feira.

Hoje, uma semana depois, sem votação na CCJ, sem apreciação de emendas, sem realização de audiência pública, sem requerimento de urgência, sem nada, Alcolumbre pautou o projeto diretamente no plenário.

Alcolumbre precisa explicar o motivo da pressa.

Comentários

  • Chedes -

    Todo excesso é prejudicial. Tem que ter regras que impeça a arbitrariedade. Assim como uma lei prejudica uns, pode beneficiar outros. Não sei porque alguns tomam partido.

  • Rogemon -

    Está claro que a banda podre do congresso quer de todas as maneiras minar as chances de virem a ser presos! Tudo isso ao que parece com a benção desse presidente do senado. Tomara eu esteja enganad

  • Sirlei -

    Agora,pra Alcolumbre,a CPI da Lava Toga,pode esperar?O cara pálida vamos botar essa pra funcionar,é medo do Gilmar Mendes,do Lewandowski e outros pilântrozos?

Ler 87 comentários