Alunos da UnB contra professores investigados

No mesmo processo em que o deputado federal Augusto Carvalho foi condenado, em primeira instância, por improbidade administrativa em razão do envolvimento dele em escândalo num hospital da periferia de Brasília, dois réus chamam a atenção: Florêncio Figueiredo Cavalcante Neto e Tânia Torres Rosa.

Ambos são professores universitários e têm relação com a Universidade de Brasília — inclusive integram conselhos de ética da Faculdade de Medicina e do Hospital Universitário de Brasília. Segundo as investigações, os dois tiveram participação no caso que provocou um prejuízo de cerca de R$ 60 milhões aos cofres públicos, segundo cálculos dos procuradores.

Alunos do curso de medicina da UnB estão tentando fazer algo para mostrar o óbvio: que não faz sentido dois réus, investigados em escândalo de corrupção sem precedentes na área de saúde da capital federal, ajudarem a formar médicos que poderão vir a assumir cargos de gestão.

O Antagonista lembra que a reitora recém-eleita da UnB, Márcia Abrahão, ganhou o pleito com o apoio da “militância petista” em Brasília.