Alvo do Gaeco, amigo de Barros é ligado a grupo que desviou 45 milhões de fundos de pensão

Alvo do Gaeco, amigo de Barros é ligado a grupo que desviou 45 milhões de fundos de pensão

Como registramos mais cedo, o Gaeco do Paraná cumpriu mandados de busca e apreensão no escritório de Ricardo Barros em Maringá. Agentes também estiveram no endereço de Delmo Sérgio Vilhena, em São Paulo.

Os investigadores suspeitam que Vilhena seja um operador de Barros, com quem já foi visto em visitas ao governo do Paraná.

O empresário é diretor-executivo da Comanche Biocombustíveis, investigada pela criação de um fundo de investimentos que captou mais de R$ 45 milhões em prefeituras e fundos de previdência, como o Refer (de servidores da antiga Rede Ferroviária Federal) e o Cibrius (de servidores da Conab).

O Comanche FIDC captou os recursos com a justificativa de investir em duas usinas de etanol do grupo, mas o dinheiro foi desviado. A garantia para o suposto investimento foi um contrato de fornecimento com a BR Distribuidora, que também não foi cumprido.

Delmo Vilhena, que diz ser amigo de Barros há 30 anos, também é investigado por participação em fraude na compra de usinas eólicas.

Leia mais: Exclusivo: segundo Marcelo Odebrecht, a empreiteira chegou a “pagar caro” a um escritório autorizado por Toffoli para “intermediar” a relação entre eles
Mais notícias
Comentários
Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos. Tempo de publicação: 4 minutos
Ler 12 comentários
TOPO