Amapá de Alcolumbre foi o estado mais beneficiado com socorro de Guedes

Amapá de Alcolumbre foi o estado mais beneficiado com socorro de Guedes
Foto: Adriano Machado/Crusoé

Um estudo da Instituição Fiscal Independente (IFI) do Senado mostra que, para 24 estados, o socorro desenhado por Paulo Guedes e Davi Alcolumbre mais do que compensou a perda de arrecadação durante a pandemia.

Pelas contas da IFI, apenas Ceará, Santa Catarina e São Paulo não registraram ganhos de receita no período de 12 meses até setembro.

O estado mais beneficiado foi o Amapá de Davi Alcolumbre, que teve um aumento de 27,7% da receita. Em seguida vem Roraima (26,1%), Acre (17,8%), Tocantins (10,9%) e Alagoas (8,7%).

Foto: Reprodução
O socorro da União foi alvo de disputas entre Paulo Guedes e Rodrigo Maia. O presidente da Câmara defendia uma proposta que recomporia somente a perda de estados e municípios, em um projeto que alterava por completo o Plano Mansueto.

Guedes, no entanto, conseguiu o apoio de Alcolumbre e criou um novo texto. Pela proposta do governo, a União repassou R$ 60 bilhões –R$ 37 bilhões para estados e R$ 23 bilhões para municípios.

O estudo da IFI mostra que o auxílio de Guedes foi mais do que o suficiente. Na prática, o governo teria gastado menos se a proposta apoiada por Maia fosse aprovada.

Como mostramos, Alcolumbre foi o responsável por incluir no socorro a estados um artigo que favorecia o Amapá, que sofre com o apagão.

Leia mais: Deputados federais custam R$ 189 mil por mês aos pagadores de impostos; senadores, ainda mais
Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO