AMB: "O derby político em torno da hidroxicloroquina deixará um legado sombrio para a medicina brasileira"

A diretoria da Associação Médica Brasileira (AMB) divulgou uma nota na manhã desta segunda-feira renovando o posicionamento da entidade sobre o uso da hidroxicloroquina em pacientes com Covid-19.

A entidade diz que “até o momento, não existem estudos seguros, robustos e definitivos sobre a questão”, mas critica “aqueles que parecem torcer pelo coronavírus”.

“O derby político em torno da hidroxicloroquina deixará um legado sombrio para a medicina brasileira, caso a autonomia do médico seja restringida, como querem os que pregam a proibição da prescrição da hidroxicloroquina”, afirma trecho da nota.

A AMB, em tom crítico, ainda diz que “análises criativas dos atuais estudos permitem quaisquer tipos de interpretações”.

A entidade médica afirma também que o uso off label — quando a indicação do profissional diverge do que consta na bula — “é consagrado na medicina”.

“Sem a prática do off label, diversas doenças ainda estariam sem tratamento. Não se trata de apologia a este ou àquele fármaco. Trata-se de respeito aos padrões éticos e científicos construídos ao longo dos séculos.”

Leia mais: Sócios no desastre: a responsabilidade dos governadores na pandemia. Clique aqui para ler mais
Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO