Amoêdo defende simplificação dos impostos e reforma da Previdência

João Amoêdo reiterou em sabatina do Estadão a necessidade de equilíbrio fiscal.

“A gente não pode aumentar impostos. Sou totalmente contrário ao aumento da carga tributária. A correção que a gente tem que fazer nas contas públicas é cortar as despesas.

O que a gente quer fazer num primeiro momento é a simplificação dos impostos.”

Ele disse que é preciso tirar dinheiro do Estado, sem reduzir a alocação nas áreas essenciais, e deixar para que as pessoas possam empreender.

E mais:

“Eu entendo que foi um erro do governo não ter aprovado primeiramente a reforma da Previdência. Na nossa vida, na nossa casa, você não pode gastar mais do que arrecada.”

O presidenciável do Partido Novo disse que, assim, o Brasil fica sem capacidade de investimento, porque, não tendo poupança, não pode investir.

Segundo Amoêdo, com a expectativa de vida subindo, e menos gente entrando no mercado de trabalho, “é preciso passar a reforma”, sob o risco de saúde e educação ficarem comprometidos, porque todo o dinheiro foi para pagar a previdência.

Comentários

  • Cirval -

    Para quem não sabe essas ideias do João Amoêdo foram amadurecidas a partir de 2010 quando o Partido Novo foi criado. Não é remédio de última hora. É o único que fala coisa com coisa e ainda a

  • GASTAO -

    João Banco Itaú Amoêdo, tudo isto que você está propondo é plágio, senão apropriação indébita, do plano de governo do Paulo Guedes, colocado e divulgado, há pelo menos 10 meses atrás.

  • Nikola -

    O Amoêdo é laranja do banco Itaú.

Ler 13 comentários