Assine
Acesse
Acesse o Antagonista+ Acesse a Crusoé

Amoêdo se queixa de 'falta de unidade' do Novo; desistência expõe racha no partido

Mais de 40 membros eleitos do partido criticaram "imposição" de pré-candidatura por fundador; diretoria ameaçou levar ao Conselho de Ética deputados contrários a Amoêdo
Amoêdo se queixa de falta de unidade do Novo; desistência expõe racha no partido
Foto: Divulgação/João Amoêdo/Flickr

João Amoêdo, que desistiu de ser pré-candidato do Novo à Presidência, publicou no Twitter na noite desta quinta-feira (10) a mensagem que enviou aos membros da Convenção Nacional do partido.

O fundador da sigla explicou do seguinte modo sua desistência:

“Na minha avaliação, a ausência de um posicionamento transparente, firme e célere da instituição, neste processo, demonstrou a falta de unidade do Novo quanto ao propósito para 2022. Muito me orgulharia representar o Novo nesse momento tão importante para o nosso país, mas não há como iniciar essa dura caminhada sem a condição por mim citada quando da aceitação desse convite: (…) aceito essa tarefa confiando que trabalharemos como um time, com resiliência, alinhamento, humildade e coerência, dentro dos princípios, valores e propósitos que justificaram a fundação do Novo.”

O Antagonista apurou que pelo menos 41 membros eleitos do Novo não gostaram de Amoêdo ter imposto sua pré-candidatura “a fórceps” —a maioria desse grupo apoiou o nome do deputado federal Tiago Mitraud para a disputa em 2022.

Esse racha atingiu especialmente a bancada do partido na Câmara, cujos oito deputados (com a exceção de Vinicius Poit, que negocia sua candidatura ao governo paulista) se posicionaram contra o fundador do Novo.

Antes de Amoêdo decidir sair da disputa, a diretoria nacional do Novo chegou a ameaçar levar os deputados federais ao Conselho de Ética da sigla, sugerindo a possibilidade de expulsão.

Leia mais: Assine a Crusoé e apoie a o jornalismo independente.
Mais notícias
TOPO