Ana Arraes lava as mãos sobre taxa extra em portos

O TCU deve julgar hoje a chamada Terminal Handling Charge 2 (THC2), uma taxa extra inventada pelos operadores de portos para deslocamento de cargas dentro do terminal. A cobrança, que encarece o frete, foi ilegalmente regulamentada em 2012 pela Antaq — para a sorte de grupos como o Libra, investigado pela Polícia Federal por suposto pagamento de propina a Michel Temer.

O Antagonista apurou que a relatora do caso no tribunal, Ana Arraes, vai apresentar voto alinhado a parecer do Ministério Público de Contas — confira AQUI –, que resolveu deixar para a Antaq a responsabilidade por resolver o problema, embora peça a punição de três ex-dirigentes da agência reguladora.

Quem acompanha o tema sabe que, se o TCU deixar a cargo da Antaq, nada será feito.

Leia também:

TCU vê omissão de apadrinhados de Sarney, Ciro e Valdemar em ‘taxa extra’ dos portos

Temas relacionados:

Comentários temporariamente fechados.

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem.

  1. Todas as Agências Reguladoras deveriam ter suas atividades encerradas, porque foram infiltradas por apadrinhados políticos que subverteram seu funcionamento. Ao invés da função de proteger o consumidor dos abusos cometidos por fornecedores de serviços essenciais, se tornaram aliadas destas empresas

Ler mais 4 comentários
  1. Todas as Agências Reguladoras deveriam ter suas atividades encerradas, porque foram infiltradas por apadrinhados políticos que subverteram seu funcionamento. Ao invés da função de proteger o consumidor dos abusos cometidos por fornecedores de serviços essenciais, se tornaram aliadas destas empresas

  2. E o que o Antagonista acha a respeito? A Antaq não fazer nada é ruim? A notícia dá a sensação de que o Antagonista reprova a posição do MPC, mas se melindra em criticar Julio Marcelo. Espero que seja apenas sensação…