Andrade Gutierrez, sobre a corrupção no Brasil: “É doentio”

Para o presidente da Andrade Gutierrez, Ricardo Sena, a corrupção no Brasil atingiu um nível patológico, em que os empreiteiros criam “dificuldade para vender facilidade”. Veja o que disse à Folha:

Folha: Como o senhor conseguiu ficar fora da Lava Jato?

Ricardo Sena: Não trabalhava na construtora. E na área de concessões nunca fizemos. Ah, por que vocês são mais bonitos? Pouco sou. Mas em concessões você investe, põe o dinheiro. Como empreiteiro, você recebe o dinheiro. Aí cria uma situação. Cria dificuldade para vender facilidade. É um processo doente. Uma empresa concessionária não pode fazer doação de campanha. A empreiteira podia. Não era legal ser com dinheiro sujo, mas doação era legal. Por isso que tem essa briga sobre o que pode, caixa um, caixa dois.

Vivi 20 anos, de 1992 a 2012, na AG Concessões. Mas eu sabia? Claro que eu sabia [que existia pagamento de propina]. E não só aqui, não. Qualquer empresa do Brasil. E de qualquer setor. Ah, então por que gostam [de falar] de empreiteiro? Por que empreiteiro tem relação direta com o poder. Aí pega o Renan [senador Renan Calheiros], o Jucá [senador Romero Jucá], não sei quem. Dá ibope.

Mas o cara que vende merenda escolar também corrompe. Só que não dá ibope nenhum prender o subsecretário de não sei o quê. O Brasil infelizmente é assim. Não quero dizer com isso que não se pecou. Claro que se pecou. Mas digo que, quem fica assim [faz cara de assustado] é um anjo. O cidadão deve ter nascido ontem.

Faça o primeiro comentário