André Esteves é Sete Brasil

O nome de André Esteves, acima de qualquer outra coisa, está ligado à Sete Brasil, empresa da qual era sócio.

Em junho, por exemplo, publicamos o seguinte post:

Os e-mails que Marcelo Odebrecht mandou “destruir” referem-se às sondas da Petrobras, encomendadas pela Sete Brasil ao Estaleiro Enseada, uma sociedade entre a Odebrecht e André Esteves, citado expressamente no bilhete do empreiteiro.

Pedro Barusco já esclareceu do que se tratava.

Ele disse aos investigado

res da Lava Jato que conseguiu “identificar o recebimento de 1 milhão de dólares depositados pela Odebrecht” na conta de sua offshore Pexo Corporation, pagamento detalhado no laudo da PF sobre as propinas da empreiteira.

Ele disse também que o operador da propina, em nome do Estaleiro Enseada, era Rogério Araújo.

Para cada contrato assinado entre a Sete Brasil e o Estaleiro Enseada, segundo Pedro Barusco, 1% do valor total era destinado ao pagamento de propina, distribuído da seguinte maneira: 2/3 para o tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, e 1/3 para Renato Duque e o próprio Pedro Barusco.

A Odebrecht pode tentar se defender “destruindo” os e-mails sobre as sondas, mas esse é o caminho mais rápido para sua autodestruição.