Anvisa tem maioria para aprovar uso emergencial de coquetel de remédios contra Covid

Anvisa tem maioria para aprovar uso emergencial de coquetel de remédios contra Covid
Reprodução/Anvisa/YouTube

A Diretoria Colegiada da Anvisa acaba de formar maioria para aprovar o uso emergencial, em caráter experimental, do coquetel de medicamentos casirivimabe + imdevimabe, da empresa Roche, para o tratamento da Covid.

O diretor Alex Machado Campos foi o terceiro a votar, formando maioria de 3×0.

A aprovação foi recomendada aos diretores pela área técnica da Anvisa.

Segundo os ensaios clínicos, a eficácia do coquetel foi de 70,4% na redução de hospitalizações e mortes (somadas), em comparação com o placebo.

Os remédios são dois anticorpos monoclonais que têm como alvo a proteína espicular S do novo coronavírus.

O casirivimabe e o imdevimabe são indicados para o tratamento da Covid em adultos e pacientes pediátricos (de 12 anos ou mais que pesem no mínimo 40 kg), com infecção por SARS-CoV-2 confirmada por laboratório, que não necessitam de suplementação de oxigênio e que apresentam alto risco de progressão para Covid grave, por terem idade avançada, obesidade, doença cardiovascular (incluindo hipertensão), doença pulmonar crônica (incluindo asma) diabetes mellitus tipo 1 ou tipo 2, doença renal crônica (incluindo aqueles em diálise), doença hepática crônica ou serem imunossuprimidos.

Segundo a agência, anticorpos monoclonais como o casirivimabe e o imdevimabe podem estar associados a piora nos desfechos clínicos quando administrados em pacientes hospitalizados com Covid que necessitam de suplementação de oxigênio de alto fluxo ou ventilação mecânica.

Ainda segundo a Anvisa, “o tratamento deve ser iniciado assim que possível após o teste viral positivo para SARS-CoV-2 e dentro de 10 dias do início dos sintomas”. O diretor Alex Machado Campos ressaltou que os medicamentos são sem recomendação para uso precoce ou preventivo”.

O uso é restrito a hospitais e sob prescrição médica, sendo proibida a venda.

Os medicamentos são administrados por via intravenosa, em dose única, dentro do hospital. Não são, portanto, comprimidos.

Este é o segundo remédio (ou coquetel de remédios) contra Covid aprovado pela Anvisa, o primeiro com autorização para uso emergencial. Em março, a agência aprovou o registro definitivo do remdesivir.

Leia mais: O furo de reportagem de O Antagonista sobre a mansão comprada por Flávio Bolsonaro em Brasília é dissecado na edição desta semana da Crusoé
Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO