Após 9 mortes por cloroquina, Bolsonaro volta a defender 'liberdade total' dos médicos

Após 9 mortes por cloroquina, Bolsonaro volta a defender liberdade total dos médicos
Reprodução/TV Brasil/YouTube

O presidente Jair Bolsonaro voltou a defender hoje a “liberdade total” dos médicos para receitar remédios contra a Covid.

“O vírus é grave, mas seus efeitos têm como ser combatidos”, disse Bolsonaro nesta segunda-feira (5), sem citar o nome dos remédios supostamente capazes de fazer isso.

Em cerimônia de entrega de 435 moradias a famílias de baixa renda em São Sebastião (DF), Bolsonaro elogiou o prefeito de Chapecó, João Rodrigues (PSD), pelo trabalho em supostamente combater a pandemia.

“Naquele município, com toda certeza em mais, também, e alguns estados também, o médico tem a liberdade total para trabalhar com o paciente. Total. E esse é o dever do médico. É uma obrigação e um direito dele. Não tem o remédio específico, ele trata da melhor maneira possível”.

Reportagem de O Globo publicada hoje mostrou que um painel da Anvisa já registra nove mortes por cloroquina ou hidroxicloroquina desde o começo da pandemia.

Leia mais‘Kit Covid’ ou ‘tratamento precoce’ aumenta risco de morte, dizem chefes de UTIs

Leia mais: Assine a Crusoé e apoie a o jornalismo independente.
Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO