ACESSE

Após bispo preso, CNBB pede para fiéis rezarem

Telegram

A CNBB acaba de divulgar uma nota sobre a Operação Caifás, que prendeu um bispo, quatro padres e um monsenhor — todos acusados de participarem de um esquema que, segundo o MPF, desviu cerca de 2 milhões de reais de doações e ofertas dos fiéis.

A nota é assinado por dom Leonardo Ulrich Steiner, secretário-geral da conferência:

“Diante da prisão do bispo da Diocese de Formosa no estado de Goiás, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil manifesta a solidariedade com o presbitério e os fiéis da diocese, recordando ao irmão bispo que a justiça é um abandonar-se confiante à vontade misericordiosa de Deus.

A verdade dos fatos deve ser apurada com justiça e transparência, visando o bem da igreja particular e do bispo. Convido a todos os fiéis da Igreja a permanecermos unidos em oração, para sermos verdadeiras testemunhas do Evangelho.”

Leia também:

O crime do padre Ronaldo

Dinheiro vivo no armário do monsenhor

Comentários

  • Paulo -

    Essa gente que perdeu a fé, se é que algum dia teve alguma, acumula riquezas e desse modo troca Cristo crucificado por Mamon. A responsabilidade dos consagrados é ainda maior que a dos leigos, portanto o pecado é ainda mais grave. Vamos orar para que aqueles que desviaram dinheiro da paróquia, um dinheiro que serviria para diminuir o sofrimento dos irmãos menos favorecidos, se comprovado o desvio, devemos orar para que passem muitos anos na prisão, onde poderão ter tempo de se arrependerem de seus pecados, até porque os culpados responderão diante de Deus, cedo ou tarde.

  • Luizinho -

    Certinho MPF. Mas e os sindicatos que desviam a grana dos trabalhadores e nunca prestaram contas de nada.... aí como é que fica?

  • Vitor -

    Pelo menos não pediu para eles doarem.

Ler 144 comentários