Apostar em imunidade de rebanho é "absurdo e antiético"

Apostar em imunidade de rebanho é “absurdo e antiético”
Foto: Acácio Pinheiro / Agência Brasília

O epidemiologista Pedro Hallal disse à BBC Brasil:

“A imunidade de rebanho só acontece com uma vacina — que não existe — ou quando muita gente adquire naturalmente anticorpos. Se hoje já morreram mais de 76 mil pessoas, seria ético esperar contaminar 60% a 70% da população e deixar morrer quase 1 milhão para então atingir a imunidade de rebanho? É óbvio que não. A ideia de mirar a imunidade de rebanho como uma política de saúde é absurda, mal pensada e antiética.”.

Um estudo coordenado por ele indicou que, até 24 de junho, 8 milhões de brasileiros já haviam sido infectados com o novo coronavírus.

Sua proposta, neste momento, é fazer um lockdown rigoroso no Sul e no Centro-Oeste.

 

Leia mais: Bolsopetismo pró-impunidade: a aliança para enterrar a proposta de prisão após condenação em segunda instância
Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO